Brisa




quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Sou como uma leve brisa
que entra pela janela da casa,
refresca quem ali conversa,
mas nem sequer é notada.
As palavras prosseguem.
Passo por entre elas
E saio pela porta da cozinha
Que dá para o infinito.

Silêncio…

3 comentários:

Anônimo on: 25 de novembro de 2010 11:40 disse...

derreto-me...
verdadeiro poema comtemporâneo

Anônimo on: 19 de dezembro de 2010 12:13 disse...

Quando tocas o meu rosto ó Brisa suave
sinto-me livre e me contento de saber que neste toc suave nem palavras preciso de dizer pois Tu me dizes tudo!

F. Otavio M. Silva on: 20 de janeiro de 2011 20:39 disse...

oi.. nunca mais apareceu lá no meu blog ( http://otaviomsilva.blogspot.com )... to só passando por aki pra ver como anda o seu... muito interessante seu blog, vou voltar assim que puder.
Forte abraço

 

Pesquisar este blog

Barra de vídeo

Loading...

Copyright © 2015 • Poemas ao vento
Blogger Templates