Paradoxo




terça-feira, 24 de julho de 2007


Neste mundo tecnologicamente primitivo,
no qual se mata por uma sandália,
no qual o homem, ainda, luta pelo o que obviamente deveria ter:
direitos humanos,
neste mundo hipócrita, mesquinho,
feito de flutuações, mentiras, apostas e especulações,
neste mundo de Sadam, Osama, Bush, Blair,
neste mundo de armas atômicas e biológicas,
de blocos, de multilateralismos, de isolacionismos e embargos,
neste mundo de desastres,
de matanças,
de roubos,
de prostituições (infantis, femininas, masculinas, econômicas, intelectuais, entre outras),
de guerras (com ou sem a permissão da ONU),
de intolerância, de religiões, de racismo,
neste mundo em que bilhões passam fome,
neste mundo caótico, aeroespacial,
de carros, de ônibus e caminhões, metrôs e trens-bala,
neste mundo de fumaças,
de céus cinzentos, de rios imundos,
de drogas,
neste mundo que está uma droga,
existe uma criança que, indiferente ao mundo,
brinca com bolhas de sabão,
tem esperanças,
lê “O Pequeno Príncipe”,
e, incrível, sonha!,
e sonha com a paz mundial.

0 comentários:

 

Pesquisar este blog

Barra de vídeo

Loading...

Copyright © 2015 • Poemas ao vento
Blogger Templates