Lembrando da água




sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Água.
São como as águas dos rios
o meu coração.
Coração amazônico.
Que seca, mas corre, vive, revive.
Vai além.
É o mar do norte meu coração.
É o mar doce, profundamente doce.
Mar rico, mar mítico
que as serras não serraram,
que o fogo não destruiu,
que o dinheiro não comprou.
Meu coração é grande e doce,
mas barrento, lento, escuro,
mas doce.
Quando deságuo, exulto com a revelação.
Descubro que também sou Oceano
e que o Oceano também é rio.

1 comentários:

[ rod ] on: 11 de novembro de 2008 20:07 disse...

Olá moço.. estou de volta e vim te avisar:


Venha conferir o início de tudo.

Venha sentir o gosto dos meus...

Traga também os seus.

O AveSSo dA ViDa agora se chama dogMas.


dogMas...
dos atos, fatos e mitos...

http://do-gmas.blogspot.com/

 

Pesquisar este blog

Barra de vídeo

Loading...

Copyright © 2015 • Poemas ao vento
Blogger Templates