Jerus-Além




sábado, 16 de fevereiro de 2008


Não sei porque quando digo Jerusalém
de alguma forma estranha vou além
e minh'alma grita
e meu corpo sangra.

Jerusalém, Jerusalém, Jerusalém
quando habitas em mim
eu vou além, além, além
além de ti e de tudo
além do carro/homem bomba,
além de cercas elétricas e dos muros.

Jerusalém quando te vejo na fotografia
me espanto com tamanho esplendor
e viajo...
calmo,
lento,
nostálgico
no Reino imaginário do Eterno Amor.

0 comentários:

 

Pesquisar este blog

Barra de vídeo

Loading...

Copyright © 2015 • Poemas ao vento
Blogger Templates